Relacionamento, a terceira fase do Inbound Marketing

O que fazer com seus Leads: Relacionamento, a terceira fase do Inbound Marketing

Em todo processo de Marketing Digital a palavra Lead aparece em destaque. Um Lead é um potencial cliente. Uma oportunidade para o seu pequeno ou médio negócio.

Mas você realmente sabe pra que servem e o que deve ser feito com esses contatos obtidos na fase anterior do Inbound Marketing?

Chet Holmes, no seu livro “The Ultimate Sales Machine”, mostra que apenas 3% das pessoas na internet estão prontas para comprar. Claro que, para essas pessoas nós faremos anúncios no Google AdWords, no Facebook Ads e outras plataformas, vendendo o produto com um apelo totalmente comercial, fechando uma venda rápida.

Para continuarmos, imagine você: das horas que passa na internet, quantas você passa procurando um produto com convicção de compra? Bem pouco tempo, não é mesmo?

A jornada de compra na internet demora. Isso por que temos uma infinidade de informações e conteúdos para decidirmos o que vamos comprar. Os outros 97% dos usuários passam horas e até dias buscando opiniões, análises, comparando preços e etc.

Assim, a metodologia de Inbound Marketing trabalhar o relacionamento com esse número gigantesco de usuários, tendo em vista gerar valor e autoridade, tornando a seu negócio a primeira opção de compra dele.

Para isso, é importante manter um relacionamento direto e real com o seu público.

Acredite, existem formas automatizadas de fazer isso, e empresas de todos os portes já estão conversando com seus Leads.

Logo abaixo eu vou detalhar algumas formas de fazer relacionamento durante um processo de Inbound Marketing:

  • E-mail Marketing

“O e-mail morreu”. ERRADO! O e-mail marketing está cada vez melhor. Cerca de 92% dos usuários na internet tem ao menos 1 conta de email, sendo que 72% deles checam a caixa de entrada 6 ou mais vezes todos os dias (sem falar que existem mais de 3 bilhões de contas de emails criadas, o que é 3 vezes mais do que todas as contas do Facebook e Twitter combinadas).

Além disso, muitas pessoas enxergam o Marketing Digital de relacionamento como Redes Sociais, mas essas pessoas estão perdendo dinheiro. Lembra do Digg? Era uma rede social antiga, que acabou. E o Orkut? Nem preciso comentar que fim levou.

O e-mail permite um contato íntimo com seu usuário. Você pode personalizar o que envia pra ele, e assim criar um vínculo verdadeiro. E se algum software de e-mail marketing vir a falir, não se preocupe, a sua lista continuará com você.

  • Fluxos de Automação

Fazer e-mail personalizado para 50 pessoas é complicado. Agora imagina pra quem tem uma lista com mais de 5 mil contatos.

Por isso, existem softwares que fazem tudo isso automaticamente. Você só precisa criar os modelos de e-mail pensando na sua Persona e na Jornada de Compra dela.

São e-mails pensados em todos os momentos que o usuário passa até decidir comprar. Ele receberá um conteúdo específico para perceber que possui uma necessidade, e conforme ele reagir a esse e-mail ele receberá outro com conteúdo focado na solução daquele problema.

“Fluxo de automação é só e-mail?” Claro que não. O fluxo trabalha principalmente com e-mail, mas ele serve para muitas outras coisas:

  • Alterar a fase dos Leads na Jornada de Compra;
  • Marcar/Desmarcar Leads como oportunidade de fechar ou não uma venda;
  • Marcar uma venda como concretizada, evitando que o Lead que já comprou receba mais ofertas do seu produto;
  • Atribuir um dono para o Lead ou distribuir Leads entre vendedores, fazendo uma gestão do processo de vendas;
  • Adicionar/Remover tags que ajudarão o vendedor a entrar em contato com o Lead;
  • Seguir o Lead em redes sociais que seu e-mail estiver cadastrado;
  • Salvar as informações dos Leads.

Bônus: Nesse artigo da Marketing de Conteúdo você pode ver detalhes de como criar um fluxo de automação para qualquer tipo de negócio na ferramenta RD Station.

“Mas Rodrigo, vou ter que esperar dias para fazer uma venda? Isso não vai compensar pra mim!”

Sim e não. Depende da jornada do seu consumidor o tempo que ele leva pra comprar. Por exemplo, comprar um tênis é muito mais fácil do que comprar um carro. De qualquer forma leva um tempo, sim. Porém, a partir do momento que um cliente fechar outro já vai estar próximo, senão fechando junto, pois a estratégia de Inbound Marketing acontece o tempo todo e está sempre trazendo novos clientes.

Por isso dizemos que a estratégia é de longo prazo. E quando ela começa a dar resultados, não para!

Lembra quando eu disse que seus fãs no Facebook não eram seus de verdade? Então, aqui no Inbound Marketing você cria verdadeiros fãs, ou seja, pessoas ansiosas por seu conteúdo e que melhoram suas vidas com informações que o seu negócio fornece.

Essa estratégia é perfeita para pequenos negócios de nicho, como lojas de roupas customizadas, culinária local e etc. Envie-nos uma mensagem e tire todas suas dúvidas gratuitamente!

 

 

Um forte abraço,

Rodrigo Oliveira

Rodrigo Oliveira

Publicitário, Inbound Marketer, produtor de conteúdo no Jornada Marketing Digital, (muito) acelerado, caçador de oportunidades, freelancer de Growth Marketing, apaixonado por networking e doido por inovação